• Exigência de planos de mobilidade urbana e a disponibilização de recursos para sua execução demonstram esforço do governo em incentivar o planejamento sustentável

    No final do ano passado, o Ministério das Cidades apresentou os primeiros municípios pré-selecionados para o Avançar Cidades – Mobilidade Urbana. O programa é uma iniciativa do governo federal para impulsionar projetos de infraestrutura de sistemas de transporte coletivo e de transporte não motorizado, além da elaboração de projetos executivos e planos de mobilidade urbana.

    Compartilhe

  • Entrevista com Arturo Ardila-Gomez, economista do Banco Mundial

    As cidades brasileiras, em geral, ainda dependem exclusivamente da receita gerada com as tarifas para financiar seus sistemas de transporte coletivo, incluindo operação, manutenção, frota e estrutura. O problema é que, nos melhores casos, esse recurso só é suficiente para cobrir operação, manutenção e custos relacionados à frota, “na maior parte, só os dois primeiros”, avalia o economista do Banco Mundial, Arturo Ardila-Gomez (abaixo, na foto de Victor Moriyama).

    Compartilhe

  • Com o apoio de diversos coletivos da cidade de São Paulo, grupo concebido pelo WRI Brasil prioriza o olhar feminino na construção de uma São Paulo mais equânime

    Há um ano, um encontro de mulheres engajadas na temática da mobilidade urbana de São Paulo proporcionou a oportunidade de debater desafios e propor melhorias urbanas sob a perspectiva de gênero. Da união das cerca de 100 pessoas presentes, majoritariamente mulheres, concluiu-se que espaços de discussão como aquele precisavam ser multiplicados e dar origem a grandes ideias e propostas à capital paulista.

    Compartilhe

  • Prêmio reconheceu as realizações e inovações do WRI em projetos de desenho urbano e transporte sustentável para salvar vidas

    LONDRES (12 de dezembro de 2017) – A cada ano, o prêmio Prince Michael International Road Safety reconhece as maiores realizações e inovações para melhorar a segurança viária e salvar vidas no mundo. Na terça-feira, 12 de dezembro de 2017, o WRI Ross Center for Sustainable Cities foi nomeado vencedor do prêmio em reconhecimento ao significativo trabalho para reduzir as mortes no trânsito em cidades de baixa e média renda através do transporte sustentável e do desenho urbano.

    Compartilhe

  • Luis Antonio Lindau escreve sobre projeto de lei em discussão no Congresso Nacional

    Artigo escrito por Luis Antonio Lindau e publicado originalmente na Revista NTU Urbano.

    Compartilhe

  • Seminário em São Paulo debate diferentes fontes de receita e a importância do comprometimento político para viabilizar o transporte de qualidade

    Em São Paulo, 83% dos moradores afirmam estar dispostos a deixar de usar o carro – desde que possam contar com uma boa alternativa de transporte. O desejo pode ser creditado ao declínio da era do automóvel: os carros ocupam a maior parte do espaço viário, transportam menos pessoas, poluem mais e geram congestionamentos que afetam a produtividade e a qualidade de vida.

    Compartilhe

  • Em 2017, o WRI Brasil passou pelas onze cidades participantes da Rede de Mobilidade de Baixo Carbono para capacitar no conceito que guiou novos projetos

    Pouco mais de meio ano depois do lançamento da Rede Nacional para a Mobilidade de Baixo Carbono, chegou a hora de compartilhar as experiências de cada município no desenvolvimento dos projetos de Ruas Completas.

    Compartilhe

  • Nova publicação do WRI Brasil apresenta sete estratégias que incentivam hábitos mais sustentáveis nos deslocamentos ao trabalho ou estudo

    Existem diferentes opções de transporte que podem levar as pessoas diariamente aos seus locais de trabalho ou estudo. No entanto, a cultura carrocêntrica difundida na maior parte das cidades brasileiras faz com que milhões de pessoas optem pelo transporte motorizado individual. Em paralelo a isso, os métodos colocados em prática para tratar os habituais congestionamentos não estão contribuindo para a solução dos problemas, apenas perpetuando erros e levando as cidades a um cenário insustentável.

    Compartilhe

  • Entrevistamos Cristina Van Valkenburgh, gerente dos programas de mobilidade no Departamento de Transporte de Seattle (SDOT)

    Nenhuma política isolada terá capacidade de transformar a mobilidade de uma grande cidade. As melhores práticas mostram que é necessário um olhar integrado para o transporte, o uso do solo, o zoneamento e demais ferramentas de planejamento. É preciso ter uma visão de sucesso e persegui-la, com ajuda das pessoas e do setor corporativo. Esses são alguns pontos-chave para o sucesso de Seattle, onde Cristina Van Valkenburgh atua como gerente dos programas de mobilidade no Departamento de Transporte de Seattle (SDOT).

    Compartilhe

  • Em entrevista, Laura Ballesteros, subsecretária de Planejamento na Secretaria de Mobilidade do Governo da capital mexicana, explica como a cidade está tentando mudar os hábitos de deslocamento da população

    Ainda precisa mudar em muitas cidades a ideia de que a melhoria da mobilidade urbana passa necessariamente pela ampliação da infraestrutura. Políticas de Gestão da Demanda de Viagens (GDV) tem papel importante para otimizar o uso do espaço viário e incentivar a mobilidade sustentável. Assunto ainda delicado para o poder público, ainda precisa avançar nas cidades brasileiras.

    Compartilhe

Pages

Fique Ligado

Newsletter

Inscreva-se para receber a newsletter do WRI Brasil Cidades Sustentáveis. Increver-se